Fatores ambientais e os efeitos na pele

November 1, 2017

 

A pele é o maior órgão do corpo humano e, como todo o corpo, sofre o processo dinâmico de envelhecimento através de componentes intrínsecos (cronológicos) e extrínsecos (ambientais).


No entanto, as alterações mais significativas que atuam no envelhecimento da pele devem-se a fatores externos. De acordo com estudos recentes realizados sobre a pele brasileira, fatores ambientais e comportamentais possuem tanta influência na saúde e aparência da pele quanto a genética.

 

De acordo com o maior estudo já realizado sobre a pele brasileira, enquanto a hidratação da pele é 60% influenciada por características genéticas e 40% por fatores externos, na elasticidade ocorre o inverso. As influências genéticas são responsáveis por apenas 40% da elasticidade da pele, enquanto os outros 60% são determinados por fatores como hábitos, ambiente e outras, ou seja, a saúde e aparência da nossa pele herdada geneticamente está ao nosso alcance poder alterá-la..

Os principais fatores ambientais que contribuem para o dano da pele são a radiação solar, radiação infravermelha, poluição do ar, consumo de álcool e cigarro, todos com habilidade de penetrar na pele e causar danos às células e ao DNA.

 

Quando as células se tornam menos capazes de se defender de agressões ambientais e perdem a capacidade de se replicar corretamente, há o dano celular e os sinais aparecem em forma de linhas finas, rugas, flacidez, manchas e câncer de pele.

 

As características dermatológicas que fazem uma mulher parecer mais velha são: menor hidratação, menor elasticidade e mais rugas periorbitais (os famosos “pés de galinha”).

 

A perda de elasticidade da pele é fortemente influenciada pelo sol. As áreas mais expostas ao sol, como o rosto, apresentam uma perda de elasticidade muito mais acentuada até os 45 anos.

Para prevenir o envelhecimento cutâneo e proteger a pele do sol, é imprescindível o uso de antioxidantes tópicos e do Protetor  Solar diariamente, eles previnem os danos à pele neutralizando a ação dos radicais livres gerados pelos raios UV, radiação infravermelha e outros fatores ambientais como poluição, consumo de álcool e cigarro.

 

Com a finalidade de manter e melhorar a saúde e a aparência da pele, a Mezzo oferece uma ampla linha de Protetores Solares com ativos epigenéticos, ou seja, cujo mecanismo de ação é ligado à proteção e fortalecimento da barreira da pele, que atuam desde a prevenção aos fatores ambientais até ao preenchimento de linhas, estímulo ao colágeno, hidratação da pele. Conheça a linha Fotoactive e escolha o Protetor que mais se adequa ao seu tipo de pele.

Temos uma grande inovação, o Fotoprotetor Pró-D, uma nova geração de filtros solares, 100% filtro físico, toque seco, estimula a síntese de vitamina D e possui Luteína em sua formulação, essencial para a proteção da pele contra a oxidação ambiental e efeitos do Sol.

 

A luteína é um dos principais carotenoides naturais presente em diversos alimentos. Os carotenoides são responsáveis pela pigmentação amarela, alaranjada ou vermelha dos alimentos, por esta razão, alimentos que possuem esta coloração são boas fontes de carotenoides, assim como os verdes escuros, onde a pigmentação amarela é mascarada pela cor verde da clorofila.

Muitos carotenoides possuem a função antioxidante (como a luteína e zeaxantina), enquanto outros são importantes precursores de vitamina A (como o betacaroteno.

 

Assim como nos olhos, a importância da luteína para a pele se dá pela proteção contra os raios ultravioletas, sendo uma aliada na prevenção do envelhecimento precoce ou desenvolvimento de câncer de pele. É importante lembrar, que o consumo ou a suplementação de luteína não substitui protetor solar, que deve ser utilizado diariamente.

Por ter uma ação importante na inativação de radicais livres, a luteína auxilia na manutenção e renovação da pele, preservando a degradação do colágeno, deixando-a com aparência mais saudável e com a coloração mais uniforme.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload